Céu na Boca

C É U  N A  B O C A

                                                                                              Julio Borges Filho

Assisti, com minha esposa Gislene, na noite do sábado 28 de outubro de 2017, o show comemorativo dos 20 anos do sexteto CÉU NA BOCA no auditório do Colégio Mackenzie, Lago Sul de Brasília. Foram duas horas de pura inspiração: harmonia, ritmo brasileiro, poesia, descontração e divina música. O sexteto é composto por Zazo, Dorine, Marco Fernando, Denise, Marcus Américo e Jerry. Tive o privilégio de ser pastor dos quatro primeiros, de celebrar o casamento de Marco Fernando e Denise, e de ter apresentado os filhos de Zazo e Dorine na Igreja.  Senti-me feliz em fazer parte de tão preciosas e talentosas vidas e de ver seus filhos, já jovens, seguindo os pais cantando.

 

Nome apropriado, Céu na Boca, porque a alegria e a harmonia celeste irradiam nas vozes e instrumentos. O sexteto é uma prova viva de que se pode ser cristão evangélico sem se ser preconceituoso, chato ou cafona.  Irradia saúde espiritual no modo de cantar e de falar. São artistas a serviço do Reino de Deus que nos encantam e nos alegram com sua arte com alegria, leveza e descontração. O repertório foi perfeito com obras de arte musicais como “A Canção da Graça” (Marco Fernando e Zazo), “Intercede por nós” (Marco Fernando), “Céu na Boca” (Marco Fernando), “Como é bom ser um Silva” (Zazo), “Definição” (Marco Fernando), e outras como uma sobre o perdão e o amor de Cristo cujos títulos não me recordo.

 

Houve três momentos emocionantes: A apresentação dos Batucadeiros com seu sapateado, palmas num ritmo alegre e brasileiro; e a apresentação do octeto BOCA JUNIORS composto de filhos (cinco homens e três mulheres) com o mesmo talento e harmonia do sexteto; e a apresentação de duas pérolas da MPB (Sapato Velho de Cláudio Nucci e Brincar de Viver de Guilherme Arantes). Acompanhou o Sexteto, na segunda parte do show, um trio instrumental de primeira linha: Toninho Zemuner na guitarra, Marquinhos Santos na bateria e Jefferson no teclado. E acompanharam durante todo show Marcus na guitarra, Marco Fernando no violão e Denise no teclado. Um destaque especial para o assovio do Nego Zazo como ele gosta de ser chamado.

 

Após cumprimentar pessoas amigas, abracei alguns dos artistas: Zazo, Marco Fernando e Denise. Esta recordou da cerimônia de seu casamento dizendo que foi o casamento mais belo do mundo. Cumprimentei um filho de Marco e Denise e uma filha da Zazo e Dorine. Saí leve, após comprar dois CDS, entrei no carro, coloquei um CD e, mesmo com voz ruim, senti uma vontade imensa de cantar. Gil, minha esposa, pura música, ficou mais tempo conversando e também saiu com o céu na boca.

Júlio Borges de Macedo Filho

Sobre Júlio Borges de Macedo Filho

PASTOR JULIO BORGES DE MACEDO FILHO Piauiense de Curimatá, 72 anos com 48 de pastorado, filho de Julio Borges de Macedo e Arquimínia Guerra de Macedo, é o sétimo filho de uma família de onze irmãos. Casou-se, há 48 anos no dia de sua ordenação ao ministério pastoral, com a professora Gislene Rodrigues Lemos de Macedo e tiveram quatro filhos: Juliene, Jusiel (falecido), Julinho e Julian. Agora Deus lhe deu a primeira neta chamada Sarah, de apenas 8 anos. Concluiu o curso de Bacharel em Teologia pelo Seminário Teológico Batista do Norte do Brasil, em Recife. Formou-se em 1969 e foi ordenado ao ministério pastoral no dia 22 de fevereiro do mesmo ano. Pastoreou as seguintes igrejas: Igreja Batista do Rio Largo – AL (1969 a 1972), Primeira Igreja Evangélica Batista de Teresina – PI (1972 a 1978), Primeira Igreja Batista de Ilhéus – BA (1978 a 1979), Terceira Igreja Batista do Plano Piloto – Brasília (1979 a 1989), Igreja Batista Noroeste de Brasília (interinamente em 1985), Primeira Igreja Batista de Curimatá – PI (interinamente em 2000), e desde 1989, a Igreja Cristã de Brasília. Tomou a iniciativa para a organização das seguintes igrejas: Primeira Igreja Batista de Picos –PI, Igreja Batista do Lago Norte – Brasília, Igreja Batista Noroeste de Brasília (hoje, Igreja Batista Viva Esperança), e a Igreja Cristã de Brasília. Ordenou cerca de 20 pastores e uma pastora, consagrou dezenas de diáconos e diaconisas por onde passou, e celebrou mais de 500 casamentos. É considerando no Distrito Federal um pastor de pastores. Líder denominacional foi presidente da Convenção Batista Alagoana, da Convenção Batista do DF (três vezes), do Conselho de Pastores Evangélicos dos DF (duas vezes); participou de vários organismos batistas como o Conselho de Planejamento e Coordenação da Convenção Batista Brasileira, das juntas administrativas do Seminário Teológico Batista Equatorial e do Seminário Teológico Batista do Norte do Brasil; e por 20 anos foi professor da Faculdade Teológica Batista de Brasília ensinando as seguintes disciplinas: Estudos de problemas brasileiros, ética cristã, teologia pastoral, teologia contemporânea, ministério urbano, teologia bíblica do Antigo Testamento, e homilética. Como teólogo produziu muitos artigos, teses, e palestras nos mais diferentes lugares, e participou de muitos congressos, seminários, fóruns, retiros, entre eles o Congresso Internacional Lousane II realizado em Manila, Filipinas em 1989. Foi orador de várias assembléias convencionais, e pregou em muitos congressos e igrejas por todo o Brasil. Como poeta e escritor já gestou e publicou cinco livros (Missão da Igreja e responsabilidade social, Voando nas asas da fé, Um sonho coberto de rosas, Suave perfume, e Uma grande mulher), tem quatro prontos para publicação, e está grávidos de mais dez livros que espera escrever e publicar nos próximos oito anos. Na área política assessorou deputado Wasny de Roure, por muitos anos, tanta na CLDF como na Câmara dos Deputados; assessorou por pouco tempo os deputados distritais Peniel Pacheco e Arlete Sampaio; o Ministro da Educação, Cristovam Buarque, como chefe da Assessoria Parlamentar do MEC, e depois assessor parlamentar do Senador Cristovam Buarque. Nesta área produziu muitos escritos sobre os evangélicos e a política, fez inúmeras palestras, promoveu muitos seminários, e foi fundador e coordenador de vários fóruns, entre eles o Fórum Político Religioso do PT, o Fórum Religioso de Diálogo com GDF, o Fórum Cristão do PT Chegou a Brasília em junho de 1969 e, desde então, a elegeu como sua cidade do coração. Agora, aposentado, deseja dedicar-se a apenas duas atividades essenciais: pastorear graciosamente a Igreja Cristã de Brasília e Brasília, e escrever apaixonadamente. Sua grande ênfase ministerial tem sido o amor cristão, a graça maravilhosa de Deus revelada em Jesus Cristo, a responsabilidade social das igrejas e dos cristãos, e o ministério urbano da igreja.