GRAÇA, ENCANTO DIVINO NO DESENCANTO HUMANO

IBBETEL – TEMA DO ANO DE 2018

“GRAÇA, ENCANTO DIVINO NO DESENCANTO HUMANO”

“O futuro nunca foi tão misterioso como neste fim de século XX. Todas as máquinas de predizer estão desreguladas, e nenhuma consegue  dar conta da complexidade do mundo atual onde tudo se sustenta, tudo se confunde, onde não se desenreda mais o espetáculo da realidade, o virtual do real. O todo dá a impressão de uma loucura coletiva, de uma esquizofrenia em escala mundial. Os valores morais e as ideologias desmoronam; não apenas o mundo está  ‘desencantado, como não há mais sentido, barco ébrio, perdido sem bússola no oceano do espaço-tempo”. (George Minois – História do Futuro, dos Profetas à Prospectiva – [1996] editado pela  Unesp em  2016).

“Eles se reuniam no templo todos os dias, e dividiam o pão de casa em casa, repartindo a comida com alegria e com sinceridade de coração. Eles louvavam a Deus e encantavam (charincarin)* a todos da cidade” (Atos 2:46-47).  Parte da descrição de como vivia a Igreja de Jerusalém no século I d.C.

* A tradução da palavra grega chárin (carin) [carin] “graça”, neste texto de Atos dos Apóstolos  por “encantar”, é minha. Ela não é vista em nenhuma outra versão deste ou de qualquer outro livro do Novo Testamento com esta designação onde o referido verbete apareça, segundo nossas pesquisas desde fins do século passado até os dias atuais, pelo menos em língua portuguesa.

Por que Traduzi-la Assim ?  (1) No Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento, Vol II, o verbete “graça(Cháris àcariV) [cáris], inicialmente no contexto da cultura grega, traz dentre outros significados os de “encanto”, “atração” etc. Ora, é sabido que as palavras que faziam parte da cultura helênica e que foram escolhidas pelos líderes da igreja primitiva para expressar os conteúdos da fé cristã – evangelho, alegria, fé, perdão, salvador, salvação etc. – faziam parte do linguajar coloquial diário daquela época. No entanto, receberam o enchimento da teologia cristã para revelarem incomparavelmente mais do que comumente se sabia sobre elas. A igreja primitiva não recebeu nenhuma palavra especial “caída exclusivamente do céu” para fundamentar seus ensinos. Usou, repito,  palavras do idioma grego koiné  (popular)  no dia a dia da cultura de seu tempo, que era a língua falada naquele período do Novo Testamento.

(2) No mesmo Dicionário o verbete “graça” (Charin) no contexto  da Septuaginta , LXX (O Antigo Testamento traduzido para a língua grega a fim de atender às necessidades dos judeus dispersos que não falavam mais o hebraico), aparece também como “encanto”, uma delas no  Salmo 45:2  de autoria dos Filhos de Coré – “Tu és o mais formoso dos filhos dos homens; nos teus lábios se extravasou o encanto (Charin); por isso Deus te abençoou para sempre”.

(3) Nas cartas de Paulo e nas que tiveram sua influência, os conceitos mais acentuados explicitamente são os que conhecemos como “ação compassiva e misericordiosa de Deus para conosco sem que tenha havido nenhum mérito de nossa parte para com ele”. Mas implicitamente, na resposta exuberante que os convertidos dão em seu testemunho de fé, há algo de “encantador” que só pode ser efeito da Graça de Deus. Não há nada humano que produza algo tão divino nas pessoas. Somente por ação dessa graça compassiva, encantadora, multiforme, superabundante etc. Nenhuma outra religião tem algo como a Graça para oferecer ao ser humano, pois não há nenhum conceito como este em nenhuma delas.

Voltando à citação de Atos 4:36 – Nas diferentes versões que possuímos (em nosso caso na língua portuguesa entre mais de trinta edições católicas e evangélicas), encontramos as palavras “simpatia”, “estima” etc., mas nunca “encanto”, embora seja precisamente isso o que o texto quer dizer quando descreve o jeito de ser dos irmãos de Jerusalém. Ele está afirmando diferenciadamente que aqueles pioneiros eram pessoas “encantadoras”. Por quê ? Porque estruturalmente “em todos eles havia abundante graça” (Atos 4:33). A “graça de Deus” transbordava na comunhão como missão interna de cada um e os encantava e fortalecia para a missão externa do “testemunho” aos de fora.

Também eram pessoas livres da síndrome do dever (imposto pela observância rigorosa da Lei com o aumento do fardo pelas leis complementares dos escribas-fariseus [Mateus 23:4]) e livre para servir por prazer (exposto pelo amor generoso de Deus provado e comprovado pelo fato de “Cristo ter morrido por nós sendo nós ‘ainda’ pecadores” (Romanos 5:8).). É o que fará Paulo dizer mais adiante: “Deus ama ao que dá com alegria” (2 Coríntios 9:7), com espontaneidade, sem pressão, sem chantagem, sem terror.

Convém aqui considerar que tradicionalmente temos destacado unilateralmente a “testemunha” (martureo) de Cristo pelo aspecto atroz do flagelo, que produziu tantos mártires na história. Mas esquecemo-nos do outro extremo da iluminação daqueles que encantava os outros a partir de uma outra experiência numa outra situação. Esta já revelava  desde o Antigo Testamento  a singularidade suave e encantadora do “justo de Deus”: “Mas a vereda do justo é como a luz da aurora, que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito”. (Provérbios 4:18).

PARANDO PARA PENSAR – Quando ignoramos a história no geral e, pior ainda no particular da área ou segmento do qual fazemos parte, corremos o risco de “reinventar a roda” criando “novidades” com o cheiro e a cobertura do mofo do tempo. O resultado é sempre negativo e a história passada e presente do cristianismo mostra isso. Atitude muito comum no âmbito das religiões e não incomum no cristianismo em geral. Em nosso caso, a situação atual do segmento evangélico em particular é vista por analistas das diferentes áreas das ciências humanas, inclusive analistas cristãos, como uma alucinada e estranha Babel do século XXI. Polarizada, confusa e sem uma identidade claramente definida. Quando isso acontece, esvai-se o respeito, a reverência e a referência de modelo e confiabilidade.

Quanto à questão da nossa identidade como cristãos, é conveniente refletirmos num importantíssimo texto do Dr. Bruce L. Shelley em sua obra “História do Cristianismo – Ao Alcance de Todos”. Texto, aliás, oportuníssimo para este momento da história evangélica: “Na porta de meu gabinete há um cartaz. Os alunos que param para lê-lo geralmente entram sorrindo. Isso facilita a conversa. Trata-se de uma tira de humor do Peanuts, na qual Sally, a irmãzinha de Charlie Brown está fazendo um trabalho para a escola com o título ‘A História da Igreja’. Charlie que está a seu lado, lê a introdução: ‘Para escrever sobre a história da igreja, temos de voltar ao início. Nosso pastor nasceu em 1930’. Então Charlie Brown apenas olha para o céu… Muitos cristãos, hoje em dia sofrem de amnésia histórica. O período entre os apóstolos e os dias atuais se transformou numa grande lacuna. Não é isso o que Deus tinha em mente”.

Saber quem somos é fundamental para saber onde estamos, como estamos, para onde vamos, quando e como vamos. O mundo em seu desespero velado precisa de uma orientação que parta de pessoas e organizações que tenham sua identidade claramente definida. O mundo precisa da igreja, da luz da igreja, da alegria da igreja, do encanto da igreja.

Duas expressões da fé dos cristãos primitivos que foram muito importantes, indispensáveis até, estão apagadas da memória das igrejas evangélicas do século XXI ou, quem sabe, nunca foram cunhadas na comunidade cristã do segundo século em diante. Queremos recuperá-las e colocá-las como desafios de 2018 para a Igreja Batista Betel. Não fazemos ideia do incrível poderio dessas duas expressões como antídoto para as grandes depressões.


I – A GRAÇA DE DEUS COMO ENCANTO

               “Fonte pura, fonte clara, mais que ouvida, pressentida

               Ainda que nunca te encontrasse tu haverias de encantar-me a vida”

               (Jorge Guzmán Cruchaga –“A Fonte Escondida”)

Nenhuma filosofia, nenhuma ideologia aparece magicamente de uma hora para outra fazendo estragos ou trazendo benefícios às sociedades humanas as quais são direcionadas. O desencanto  pela vida que nos preocupa tanto hoje não é algo que foi semeado e colhido recentemente, já vem de alguns séculos. Jean Jacques Rousseau, (1712-1778) filósofo social, teórico político e escritor suíço é considerado “um precursor  dos nossos tempos desencantados” por ter escrito a obra “Discurso Sobre a Origem das Desigualdades” (1755) onde compara o animal racional com o ser humano e faz seu diagnóstico pessimista. De 1755 a 2017 passaram-se 262 anos (dois séculos e meio). Nunca se prestou a devida atenção ao “desencanto com a vida” a não ser quando ele se tornou avassalador.

O que me despertou para esta questão além do já referido texto de Atos 2:46-47 foi uma semente que germinaria no “tempo próprio”: o pequeno-grande e belo livro do teólogo chileno Bernardino Piñera C. , “O Reencantamento da Vida”  escrito em 1993 e  lançado no Brasil em 1999. Ao adquiri-lo e pesquisá-lo minhas antenas de alerta foram ativadas.

Mas só mais recentemente um outro  texto me ativou o antigo despertar para esse propósito e não foi nem  a Bíblia Sagrada nem tampouco outro livro de conteúdo cristão. O Espírito de Deus usou outra obra de uma outra realidade que não tem nada a ver com a Bíblia, nem com qualquer missão com marcas nitidamente cristãs.

Sei que essa afirmação já pode causar alguma resistência em você que está lendo este texto, seja ou não membro de Betel. Isso porque reagimos quase sempre passional e preconceituosamente em questões semelhantes a esta, pois fomos ensinados que outras fontes que não as bíblicas ou cristãs são “coisas do mundo” das quais podemos prescindir. Isso é reflexo da nossa desinformação de como a Bíblia se formou e de como a Igreja primitiva doutrinou seus primeiros membros. Por isso lemos o Novo Testamento sem pensar na saudável correlação que existia entre a igreja primitiva e a cultura secular.

Isso nos lembra as palavras do sábio-cientista Albert Einstein: “Os problemas não podem ser solucionados por um modo de pensar confinado ao ambiente no qual eles foram criados”. E  Paulo, o apóstolo de dois mundos, ensina-nos a “examinarmos tudo e a retermos o que é bom” (1 Tessalonicenses 5:21).

O JEITO DISNEY DE ENCANTAR OS CLIENTESDO ATENDIMENTO EXCEPCIONAL AO NUNCA PARAR DE CRESCER E ACREDITAR – Foi este o livro (produção da equipe Disney) que caiu-me às mãos recentemente. E então a “ponte” foi construída entre o livro de Bernardino Piñeros e este.  Prestemos atenção à descrição de parte do prefácio à edição brasileira deste livro:

Um participante dos workshop do Disney Institute em São Paulo aproximou-se de Fernando Beltram, facilitador trazido de Orlando, e pediu para a filha um autógrafo do Mickey, sua personagem favorita. Fernando gentilmente solicitou um cartão de visita do participante e anotou no verso o pedido. Provavelmente, pela cabeça de todos os que estavam ao redor e presenciaram a solicitação, passou a ideia de que aquilo jamais seria realizado.

          Em menos de um mês, soubemos que o nosso cliente havia recebido não só uma linda mensagem personalizada para a filha, como também uma foto do Mickey com Fernando segurando o cartão para que ela tivesse a certeza de que o Mickey era o remetente. Acabava de ser criado um momento mágico para aquela garota, que ela jamais esqueceria.”

        Vamos parar um pouco aqui e reexaminar o que a menina pediu: uma coisa só, o autógrafo do Mickey. Que recebeu ? Uma mensagem personificada; uma foto do Mickey com Fernando Beltram; e o cartão com o autógrafo estava na mão dele. A Disney transformou o desejo da criança numa realidade muito maior. Como ficar indiferente a isso ?

Mas observemos a parte restante do prefácio: “Quanto mais estudo e trabalho com o pessoal da Disney, mais fascinado fico com este poder de motivar todos os colaboradores a oferecer além do esperado para todos que participam do seu grande elenco. Poder que faz uma arrumadeira de hotel do resort  transcender a sua função operacional e compor uma alegre cena  ao arrumar as bonequinhas compradas e deixadas por uma hóspede no quarto. Poder que faz um simples motorista de ônibus do parque ser promovido ao ver convidados parados no ponto de ônibus consultando um mapa, mesmo sem que haja qualquer pedido (isso aconteceu comigo quando eu fazia um curso de Disney Institute).

        Por que a igreja não é assim com os que a visitam num primeiro domingo ou em domingos a fio com encanto fraterno?    Há uma pergunta que nossa excepcional poetisa Cecília Meireles faz num de seus poemas: “em que espelho perdi a minha face” ?  E a pergunta que fazemos é esta: em que tempo, em que período da nossa caminhada histórica de povo de Deus perdemos esse “encanto gracioso” que caracterizou a igreja de Jerusalém ? A partir de quando deixamos de encantar as pessoas, de tal maneira que elas queiram ficar conosco e serem como nós, como em Jerusalém ?

A busca aponta tanto para uma retrospectiva na tentativa de encontrar esse “algum lugar do passado” bem como para uma prospectiva para que nossos filhos e netos se encontrem bem situados como igreja “nalgum lugar do futuro”. Mas para isso precisamos da perspectiva no nosso momento atual onde não basta o diagnóstico, também a prescrição correta a fim de que não repitamos erros do passado e não nos vejamos estagnados “nalgum lugar do presente”. Temos uma missão na vida e para a vida; a eternidade é uma outra realidade e não pode ser vista apenas como futuro irreversível e sem fim quando da travessia do filho de Deus depois da morte. O evangelho de Cristo é vida abundante aqui e na eternidade pois foi para isso que Ele veio. (João 10:10).

    II – A GRAÇA DE DEUS COMO LEVEZA DE ALMA

          “Procuramos sempre o peso das responsabilidades,

          quando o que na verdade almejamos

          é a leveza da liberdade.” (Milan Kundera)

É o próprio Cristo diante da dramática situação social, política, religiosa e espiritual de Israel quem convida o povo todo a romper com o peso dessa realidade insuportável propondo-lhe um “venham a mim todos os cansados e oprimidos e eu os aliviarei” (Mateus 11:28). Sua missão compassiva ao extremo implica em tirar o fardo dos ombros das pessoas e fazê-las andar eretas apesar das dificuldades próprias da situação existencial de seu tempo, como ensinou o profeta Habacuque (3:19) no Antigo Testamento..

Da Europa angustiada e vergada sob sucessivos pesos colocados sobre os ombros da humanidade, emergiu da Tchecoslováquia em 1984  o romance de Milan Kundera (que descreve o que se passou com o domínio comunista em Praga no ano de 1968): “A Insustentável Leveza do Ser”. Rapidamente tornou-se um clássico, creio que devido à sede de leveza de uma humanidade saturada de tantos pesos. Ele ensina que “a história é tão leve quanto a vida do indivíduo, insustentavelmente leve, leve como uma pluma, como uma poeira que voa, como uma coisa que vai desaparecer amanhã”.

Mas nós tornamos a história pesada e entramos nesse novo milênio ainda vergados sob o peso de fardos que foram construídos por desacertos humanos tanto seculares como cristãos. Uma obra-denúncia que vale à pena ser lida e estudada é a recente  “Da Leveza – Rumo a Uma Civilização Sem Peso” do ótimo pensador francês Gilles Lipovetsky. Em obras anteriores ele “ descreveu e analisou as culturas pesadas do sacrifício em nome de Deus, das ideologias, da pátria, da família ou da razão. A civilização do peso exigia de cada um disciplina férrea, sufocamento dos desejos, aniquilamento do eu, asfixia da subjetividade, dom de si, entrega total a projetos da sociedade, da pátria ou da religião e obediência aos ditames da ordem estabelecida” (Juremir Machado da Silva, sociólogo pela Sorbonne).  Ninguém suporta mais isso e anseia-se por uma liberdade que só a Graça de Deus através de Jesus Cristo pode oferecer com encanto e leveza únicos.

III – JESUS, O MODELO DE ENCANTO E LEVEZA

Aprendam de mim que sou manso e humilde de coração” (Mateus 11:29)

Não há desencanto nem tampouco peso em Jesus Cristo (apesar das tensões com as autoridades religiosas de Israel e da via dolorosa). (a) Ele encantou as pessoas de seu tempo, amigos ou mesmo adversários. Sua maneira de ser levava-as sempre a se questionar com uma opção para se tornarem melhores: umas gostavam e começavam uma outra vida; outras se sentiam desconfortáveis e queriam matá-lo. Eis algumas expressões dos Evangelhos que revelam sua singularidade encantadora:

– “Ninguém jamais falou como esse homem” (João 7:43)

– “Maravilharam-se demais nele dizendo: Ele faz tudo esplendidamente bem” (Mc 7:37)

– “Quem é este que até o ventos e os mares lhe obedecem ?” (Marcos 4:41)

Jesus vivia cercado de muitas pessoas desencantadas que buscavam nele o encanto gracioso de viver.

(b) Ele aliviou o fardo de diferentes pessoas vergadas existencialmente sob os mais diferentes tipos de peso, propondo-lhes um “jugo suave e um fardo leve” (Mateus 11:30), uma religiosidade sem afetação. É estranho às origens do cristianismo algo como as “autoflagelações” (praticadas ainda hoje).

CONCLUSÃO – Por certo algumas dessas colocações nunca foram lidas ou ouvidas por você, e, quem sabe por isso  haja mais flexibilidade de sua parte para dar-lhe atenções, principalmente em função da fundamentação bíblica. Outras, você já leu, já ouviu e será tentado a não dar atenção porque “acha que já sabe” tudo sobre elas. E é aí que mora o perigo da acomodação e da autossuficiência que sabota a vida tanto do simples como do erudito. Observe o que disse o escritor anglo-saxão Evelyn A. Waugh convertido ao cristianismo na década de 30, sátiro pungente dirigindo-se à sociedade moderna: “Os seres humanos raramente aprendem aquilo que acreditam que já sabem”. Ou seja, saber não é apenas estar informado mas formado em termos práticos como resultado da informação recebida. Se a informação não produziu mudança não houve formação. Saber não é conhecer e armazenar o conhecimento na mente, é absorver o objeto do conhecimento que muda para melhor o funcionamento da vida pessoal como um todo. Muitas vezes não queremos mudar por medo, cada um de nós a seu modo e com seu medo. Gostaria de terminar esta pastoral com um texto do metodista Dr. Luiz Alexandre Solano Rossi:

TENHO MEDO DE NOVOS CAMINHOS

É mais fácil seguir caminhos já trilhados apesar da paisagem

repetitiva, enfadonha e estéril, que assumir os riscos

de um caminho que pode e deve ser mais atraente”

        “ O novo sempre nos inspira certo medo. Temos medo da novidade porque nos fazemos reféns daquilo que já está conquistado e consolidado, mesmo que ele não seja  de fato aquilo que mais nos agrada. E, por causa desse medo, nos acostumamos a viver como se estivéssemos prisioneiros de nós mesmos. Os passos que damos foram os mesmos que demos nos dias anteriores.

É mais fácil seguir caminhos já trilhados, apesar da paisagem repetitiva, enfadonha e estéril, que assumir os riscos de um caminho que pode e deve ser mais atraente. Quando temos medo dos novos caminhos, fazemos do cotidiano uma eterna repetição. Talvez pudéssemos chamar a “maldição do eterno retorno”. Cotidianos tendem a nos prender e a nos imobilizar. Passos dados sempre na mesma direção não nos levarão a outros caminhos. E, assim, nos acostumamos à mesma paisagem  –  ainda que a detestemos  -, pensando que ela é  única possível não só para si mesmos como para todos.

Triste constatação. Constatação errada. Negamos a nós mesmos a possibilidade de novos caminhos, experiências e paisagens não porque não caminhamos, mas sim porque paramos de caminhar. Colocamos, indevidamente, um limite quando não deveria existir limite algum.  Vivemos colocando ponto final em nossa própria experiência de vida e, por isso, nos sentimos frustrados. Esquecemos que a vida não pode ser vivida começando do ponto final. No lugar dele, deveríamos colocar uma vírgula e, assim, continuarmos a viver.

Caminhos novos sempre são desafiadores. Sim, causam medo. Ameaçam a pretensa estabilidade que já conquistamos. Mas, acima de tudo, caminhos novos representam oportunidades para ampliar nosso pequeno mundo e, assim, crescer um pouco mis como seres humanos”.

Somos chamados pela graça a ser encantadores. (Cristão sem encanto é um contrassenso). Somos chamados pela graça a ter leveza de alma. (Cristão sem leveza de alma é peso morto). Somos chamados pela graça para sermos conformes à imagem de Cristo. (O que teve início em Antioquia da Síria deve ter continuidade em nós)

“O que ouço, esqueço, o que vejo, lembro, o que faço, aprendo” (Provérbio Chinês). Tudo isso como resposta espontânea ao Amado que se encantou por nós amando-nos até o fim. Não há seguimento a Cristo sem amor radical a Cristo. “Aquele que caminha uma légua sem amor         caminha amortalhado ao seu próprio funeral” (Walt Whitman)

Observe agora o que diz a segunda parte de Atos 2:47: “Enquanto isso, acrescentava-lhes o Senhor, dia a dia, os que ia sendo salvos”.

Depois de conhecer o missionário na África David Livingstone, o explorador africano Dean Stanley ficou com ele em sua remota estação de missões por algumas semanas. Ele escreveu em seu jornal mais tarde – “Se tivesse ficado mais tempo teria me tornado cristão, e ele (Livingstone) nunca disse uma palavra sobre a sua fé”.

Que o nosso encanto  e a nossa leveza , possam ser a música da graça  que os desencantados e vergados sob o peso da não-graça  possam desejar cantar conosco, num belo e grande coral  regido por Aquele de quem João diz em seu evangelho: “E o verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória como do unigênito do Pai” (João 1:14). Amém !

Pastor Társis Wallace Rodrigues Lemos

Sobre Társis Wallace

Pastor convidado da Igreja Batista Betel de Maceió - AL.