Pecado da Independência

*José Carlos Souza Santos

Estamos vivendo dias de independência. Esta palavra tem se tornado mística nos nossos dias. Deixou de ser um conceito para se tornar  um sentimento. Todos almejam a independência; seja ela, financeira, de idéias, de propósitos, de sentimentos ou mesmo de espiritualidade.

Nos tempos bíblicos as pessoas se ajuntavam e desenvolviam um sentimento de pertencimento… (unidos sobreviveremos).

Com o advento da modernidade os paradigmas mudaram e os reflexos são sentidos no trabalho, na família e na Igreja. A ânsia por liberdade e o espírito mesquinho tem feito do homem um egoísta, individualista e senhor de si. Como diz Milton Nascimento: “ Eu caçador de mim”.

Os três fenômenos da modernidade são visíveis. São eles: A pluralização, a secularização e privatização. _ Pluralização: infinitas possibilidades de opções. _ Privatização: Busca de valorizar mais o indivíduo do que o público ( O que importa é o que sinto, vejo e quero). O que importa é a realização do indivíduo. _ Secularização: O que era papel da Igreja, passa a ser da sociedade ( Não é o mundo entrando na Igreja e sim a Igreja saindo para o mundo, é a saída do núcleo para o exterior). A sociedade começa a acreditar mais na matemática, física e outras crenças… a característica mais visível é a constante migração de membros.

O primeiro aspecto da modernidade começa a atacar quando pensamos que a Igreja não está atendendo as minhas necessidades.

Atos 15:36 a 41

Paulo volta para Jerusalém, após primeira viagem missionária e dá relatório das maravilhas promovidas pelo Espírito Santo no meio dos gentios. A Igreja aprova  e comissiona-o a voltar a Antioquia com uma carta que deixa os irmãos emocionados. Ficaram alguns dias ali e Alguns dias depois

  1. Mutualidade: A vida cristã é uma vida de mútua dependência. Por isto há uma necessidade de relatórios. Deus não dá pleno poderes a um só homem, a uma só igreja ou grupo. Precisamos de nossos irmãos. Quando presto relatório é sinal de respeito, cuidado e submissão. Paulo fez a primeira viagem e prestou relatório, e consequêntemente, originou a segunda… etc.. Hebreus 13: 17 “ obedecei a vossos guias e sede para com eles”… “ Pois velam por vossas almas como quem de prestar contas”. Não só submissão, mas prestar relatórios também. Todos prestam relatórios: Jesus (João 17), os discípulos (Mc 6:30), e Paulo nas suas viagens Atos 18:22, 21:17,  17:20. Nós precisamos dar contas a nossos irmãos, amigos, familiares, pastores. Parece que só estamos dispostos a falar quando as coisas estão mal. Quando queremos tomar decisões não buscamos conselho… Mas quando as coisas estão mal, ai recorremos a Deus, pastores e amigos. Uma ovelha me ligou uma vez do Motel e disse: “Pastor acho que vou pecar”. Isto é submissão.

_ É muito comum vermos pessoas que não tem comprometimento, engajamento… São senhores dos seus próprios destinos; fundam ministérios, se auto consagram, se auto comissionam, abrem igrejas enche de sincretismo e acham que melhoraram a religião. A verdade é que são apenas MAIS DO MESMO.

  1. Dependência: Paulo tem diferença com Barnabé por causa de João Marcos. Atos 15:37. Mas mesmo com o litígio, Paulo escolhe Silas para caminhar com ele. Vemos homens na Bíblia que sempre necessitaram de companheiros de caminhadas. Ex: Elias e Eliseu, Moisés e Arão e posteriormente Josué … Jesus mais esperto escolheu logo doze. Pessoas que tem o sentido de Missão. Mas na frente , quando Paulo estava preso pediu que Marcos viesse ter com ele… “ Traga Marcos, porque ele me é muito útil”.

_ O que fazes aqui? A pergunta que devemos ouvir e ter a ousadia de responder a Deus. Precisamos valorizar os amigos de caminhada.

 

  1. Missão: Somos todos chamados e precisamos desenvolver o nosso dom debaixo das bênçãos da nossa igreja. “ partiu encomendado pelos irmãos..”. (39). Como é bom estarmos debaixo de bênção. Paulo e Silas saíram abençoados para a missão. Submissão significa estar debaixo de uma missão. Há pessoas que não fazem questão das bênçãos dos pais, dos pastores, dos lideres da sua Igreja. O Salmo 91 é um salmo de promessas, mas tem um pré requisito básico.. “ Aquele que habita a sombra do onipotente descansará”. Para receber as bênçãos precisa habitar, compartilhar, chorar junto e se alegrar junto. Qual é a sua missão? Onde está a sua Igreja, você está debaixo de qual autoridade? A quem você presta contas? Quem está te abençoando ou te comissionando…? Pense nisso.

 

  • Precisamos parar de querer que Deus se transforme em resposta da nossa oração e ter coragem em se tornar a resposta da oração Dele que eles sejam um como eu e o Pai somos um”
  • Encorajar uns aos outros numa comunidade de amigos.
  • Enveredar nos relacionamentos, admitir nossos fracassos, identificar nossas tensões e explorar nossas falhas.  Para crescermos e darmos frutos.

 

*José Carlos Souza Santos é pastor batista e atualmente                                                               congrega-se na Igreja Cristã de Brasília

 

José Carlos Souza Santos

Sobre José Carlos Souza Santos

Bacharel em Teologia e com formação em Gestão Comercial, atua na área de consultoria em Gestão Empresarial e Comercial. Pai de Calebe Naves santos (15 anos), Priscila Naves Santos (13 anos) e Daniel Naves Santos (11 anos).  Convertido aos 16 anos sempre foi envolvido com as questões eclesiásticas. Aos 18 anos assumiu a Primeira Igreja Batista no Novo Gama interinamente. Trabalhou nesta Igreja por 5 anos. Transferiu-se para a Primeira Batista de Sobradinho, onde criou a União de adolescentes Batista na Igreja. Com este Trabalho bem sucedido foi convidado a coordenar os adolescentes  do campo Batista no DF ocupando o cargo de conselheiro na JUBRAS (Juventude Batista de Brasília). No ano de 1997 ingressou na Faculdade Teológica Batista de Brasília. No ano de 1998 foi convidado a assumir a congregação da Igreja Batista Geração Eleita em Sobradinho. Por este período foi organizada a congregação em Igreja Batista do Setor de Mansões de Sobradinho. Igreja a qual pediu sua ordenação ao Ministério Pastoral no ano 2001. O concílio se organizou na Convenção Batista de Brasília com a presença 26 pastores e convidados. Foi aprovado por unanimidade e consagrado ao Ministério Pastoral no dia 25 de setembro de 2001. Pastoreou a Primeira Igreja Batista do setor de Mansões até o ano de 2007. Retorno ao Pastorado após 7 anos de peregrinação e aprendizado. Pronto para cumprir a caminhada que foi proposta Pelo Senhor nosso Deus.Bacharel em Teologia e com formação em Gestão Comercial, atua na área de consultoria em Gestão Empresarial e Comercial. Pai de Calebe Naves santos (15 anos), Priscila Naves Santos (13 anos) e Daniel Naves Santos (11 anos).  Convertido aos 16 anos sempre foi envolvido com as questões eclesiásticas. Aos 18 anos assumiu a Primeira Igreja Batista no Novo Gama interinamente. Trabalhou nesta Igreja por 5 anos. Transferiu-se para a Primeira Batista de Sobradinho, onde criou a União de adolescentes Batista na Igreja. Com este Trabalho bem sucedido foi convidado a coordenar os adolescentes  do campo Batista no DF ocupando o cargo de conselheiro na JUBRAS (Juventude Batista de Brasília). No ano de 1997 ingressou na Faculdade Teológica Batista de Brasília. No ano de 1998 foi convidado a assumir a congregação da Igreja Batista Geração Eleita em Sobradinho. Por este período foi organizada a congregação em Igreja Batista do Setor de Mansões de Sobradinho. Igreja a qual pediu sua ordenação ao Ministério Pastoral no ano 2001. O concílio se organizou na Convenção Batista de Brasília com a presença 26 pastores e convidados. Foi aprovado por unanimidade e consagrado ao Ministério Pastoral no dia 25 de setembro de 2001. Pastoreou a Primeira Igreja Batista do setor de Mansões até o ano de 2007. Retorno ao Pastorado após 7 anos de peregrinação e aprendizado. Pronto para cumprir a caminhada que foi proposta Pelo Senhor nosso Deus.