Lições da Vida

Sermão:                                      LIÇÕES DA VIDA               – Mateus 7:24-29

 

Julio Borges Filho

INTRODUÇÃO:

– Somos aprendizes na vida… E são muitos os professores. Roberto Carlos tem uma linda canção intitulada “É preciso aprender viver”.

– Mas há um professor que é o Mestre dos mestres: Jesus Cristo. É Ele que nos ensina com autoridade suprema. E é assim que Mateus narra as lições Dele no Sermão da Montanha: “Vendo Jesus as multidões, subiu ao monte, e, como se assentasse, aproximaram dele os seus discípulos; e Ele passou a ensiná-los dizendo:” E termina assim: “Todo aquele que ouve estas minhas palavras e as pratica… E todo aquele que ouve estas minhas palavras e não as pratica…”

Aproximemo-nos de Jesus para aprender. Assentemos a seus pés com a devoção e atenção de Maria de Betânia, e aprendamos lições da vida. “Sou aluno Dele e de mais ninguém” (Hino de Tarsis Wallace).

 

  1. Nós nos alimentamos de Palavras…

– E não devemos nos alimentar de palavras pequenas, como na canção interpretada por Cássia Ellen, mas das palavras de Cristo. “Nem só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que vem da boca de Deus”, assim rebateu Jesus a primeira tentação do diabo. A Palavra de Deus é o terreno mais firme para edificar nossas vidas. A espiritualidade é o dom maior do ser humano. Não reconhecer tal verdade pela psicologia tem levado a diagnósticos errados e a tratamentos inadequados. O psiquiatra austríaco Victor Frankl descobriu isso em sua logoterapia: O ser humano é espiritual.

– Palavras centrais no Sermão da Montanha:

. As bem-aventuranças (facetas do caráter do cidadão do Reino de Deus): Humildade, solidariedade, mansidão, misericórdia, pacificação, resistência, firmeza e alegria.

. Propósito da vida: ser sal e luz – “Vós sois o sal da terra…” Vós sois a luz do mundo…”

. Ética: “Tudo quanto quereis que os homens vos façam, fazei vós também a eles. Porque esta é a lei e os profetas”. (regra áurea).“Ouvistes o que foi dito aos antigos: Amarás o teu próximo e odiarás o seu inimigo. Eu, porém vos digo: Amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem; para que sejais filhos do vosso pai celeste, porque ele faz nascer o sol sobre maus e bons e vir a chuva sobre justos e injustos.” Dar esmolas, etc.

. OraçãoComo não se dever orar – Usando vãs repetições (gentios) ou para exibição de espiritualidade (hipócritas);  e como se deve orar – O Pai Nosso que retrata as sete atitudes corretas em oração (filiação, reverência, submissão, dependência, perdão, humildade e louvor)

. Bens materiais: “Não acumuleis para vós mesmos tesouros sobre a terra… Mas ajudai tesouros nos céus…”

. Ansiedade – “Não andeis ansiosos de coisa alguma…” “Buscai e primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e as outras coisas vos serão acrescentadas” (O princípio controlador da vida).

. Visão: Luz e trevas – a luz clareando a visão e as trevas deformando-a.

. Só Deus é absoluto: “Não podeis servir a Deus e as riquezas”.

. Julgamentos: “Não julgueis para que não sejais julgados”.

. Dois caminhos: um estreito e claro (salvação) e o outro largo e escuro (perdição).

. Os falsos profetas – “”Nem todo o que me diz Senhor, Senhor, entrará no Reino dos céus, mas aquele que faz a vontade do meu Pai que está nos céus. (…) “Nunca vos conheci. Apartai-vos de mim todos vós que praticais a iniquidade.” Acho que estas são as palavras mais duras do Evangelho.

. Conclusão: a parábola dos construtores.

  1. Só aprendemos o que praticamos

De matemática só aprendi o que pratiquei: as quatro operações. As equações não me interessavam. Por isso escolhi o curso Clássico na época. 

  1. Estamos em construção

Deus é… Nós estamos sendo… “Somos feitura dele (poema” criados em Cristo Jesus para as boas obras.” 

– Precisamos de um projeto de vida sólido. Temos o poder de nos autodeterminar, mesmo que não tenhamos controle sobre todos os aspectos da vida.

  1. As provações vêm para todos neste mundo

– A fé cristã não nos vacina contra os males da vida. Jesus não nos enganou: “Estas coisas vos tenho dito para que tenhais paz em mim. No mundo passais por aflições, mas tende bom ânimo; eu venci o mundo”. A paz que Cristo dá não é ausência de aflição, mas a certeza da vitória.

  1. O importante na construção da vida são os fundamentos

Construir sobre a rocha é sabedoria; construir sobre a areia é insensatez. A dimensão de profundidade, diz Paul Tillich, é a dimensão perdida da religião. Os icebergs são montanhas de gelo capazes de afundar navios como o Titanic. Qual o segredo deles? Dois terços ficam submersos dando equilíbrio e apenas um terço aparece. Nossa vida deveria ser assim: dois terços de profundidade e apenas um terço aparecendo. Assim seríamos vacinados contra a superficialidade.

A carnaubeira e a trepadeira – Tal estória ilustra bem isso. Uma trepadeira conversa com uma carnaubeira (a palmeira do Piauí) perguntando: “Quanto tempo você gastou para chegar a esta altura?” “Cinquenta anos”, responde a carnaubeira. A trepadeira, orgulhosa, rebate: “Pois eu só gastei cinco meses”. Eis a resposta sábia da carnaubeira: “É. Mas eu já vi muitas trepadeiras como você passar por aqui.” 

CONCLUSÃO:

– Recordando as cinco lições: 1) Nós nos alimentamos de palavras, 2) só aprendemos o que praticamos, 3) estamos em construção, 4) as provações vêm para todos, e 5) o importante são os alicerces.

– O astronauta James Irwin – Lá pelos anos 1973 a 1975 eu pastoreava a Primeira Igreja Batista em Teresina-PI, e foi representa-la numa assembleia da Convenção Batista Brasileira, em Recife-PE. Na noite da evangelização cerca de dez mil pessoas lotaram o ginásio Geraldão. O pregador era o diácono batista e astronauta James Irwin. Ele deu seu testemunho de fé e concluiu magistralmente falando de três pedras. A primeira ele tirou do bolso do boleto. Era uma pedra preta que ele da luz. Disse ele que orou pedindo orientação de Deus para trazer da lua algo que fosse relevante para a humanidade. Abaixou e pegou uma pedra que os cientistas de Houston descobriram ser a pedra mais antiga já descoberta. Deram-lhe, então, o nome de Pedra do Gênesis. “Só que esta que eu tenha não minhas mãos”, afirmou ele, “ não é a verdadeira, mas uma réplica que os cientistas fizeram para eu exibir.” Depois ele tirou de um outro bolso, uma pedrinha lisa e disse que ela lhe foi dada por uma mulher no Haiti. Ao dá-la, disse-lhe, que quando tivesse problemas, bastaria passar um dedo na face lisa da pedrinha e tudo sumiria por encanto. Finalmente, ele levantou sua Bíblia e apresentou Jesus Cristo, a rocha eterna, e desafiou o auditório: “em qual dessas pedras vocês querem construir as suas vidas? Nesta (exibiu a pedra do gênesis)? “Se vocês acham que a técnica e a ciência humanas podem resolver todos os seus problemas, devem depositar suas vidas nela. Depois exibiu de novo a pedrinha que lhe fora dada no Haiti dizendo: “Ou vocês preferem esta? Se acham que os problemas podem sumir num passe de mágica, depositem suas vidas na pedra da superstição. E levantando novamente a Bíblia, disse como Josué: “Eu depositei minha vida nas mãos de Jesus Cristo, a pedra que não falha e que é o único alicerce seguro para construirmos nossa existência.” Dezenas de pessoas atenderam o apelo e vieram à frente confessando sua fé no Senhor Jesus.

– As lições de Jesus são claras para que todos as entendam. Mas vale a pena repeti-las sempre porque se não as praticarmos, as esqueceremos.

Júlio Borges de Macedo Filho

Sobre Júlio Borges de Macedo Filho

PASTOR JULIO BORGES DE MACEDO FILHO Piauiense de Curimatá, 72 anos com 48 de pastorado, filho de Julio Borges de Macedo e Arquimínia Guerra de Macedo, é o sétimo filho de uma família de onze irmãos. Casou-se, há 48 anos no dia de sua ordenação ao ministério pastoral, com a professora Gislene Rodrigues Lemos de Macedo e tiveram quatro filhos: Juliene, Jusiel (falecido), Julinho e Julian. Agora Deus lhe deu a primeira neta chamada Sarah, de apenas 8 anos. Concluiu o curso de Bacharel em Teologia pelo Seminário Teológico Batista do Norte do Brasil, em Recife. Formou-se em 1969 e foi ordenado ao ministério pastoral no dia 22 de fevereiro do mesmo ano. Pastoreou as seguintes igrejas: Igreja Batista do Rio Largo – AL (1969 a 1972), Primeira Igreja Evangélica Batista de Teresina – PI (1972 a 1978), Primeira Igreja Batista de Ilhéus – BA (1978 a 1979), Terceira Igreja Batista do Plano Piloto – Brasília (1979 a 1989), Igreja Batista Noroeste de Brasília (interinamente em 1985), Primeira Igreja Batista de Curimatá – PI (interinamente em 2000), e desde 1989, a Igreja Cristã de Brasília. Tomou a iniciativa para a organização das seguintes igrejas: Primeira Igreja Batista de Picos –PI, Igreja Batista do Lago Norte – Brasília, Igreja Batista Noroeste de Brasília (hoje, Igreja Batista Viva Esperança), e a Igreja Cristã de Brasília. Ordenou cerca de 20 pastores e uma pastora, consagrou dezenas de diáconos e diaconisas por onde passou, e celebrou mais de 500 casamentos. É considerando no Distrito Federal um pastor de pastores. Líder denominacional foi presidente da Convenção Batista Alagoana, da Convenção Batista do DF (três vezes), do Conselho de Pastores Evangélicos dos DF (duas vezes); participou de vários organismos batistas como o Conselho de Planejamento e Coordenação da Convenção Batista Brasileira, das juntas administrativas do Seminário Teológico Batista Equatorial e do Seminário Teológico Batista do Norte do Brasil; e por 20 anos foi professor da Faculdade Teológica Batista de Brasília ensinando as seguintes disciplinas: Estudos de problemas brasileiros, ética cristã, teologia pastoral, teologia contemporânea, ministério urbano, teologia bíblica do Antigo Testamento, e homilética. Como teólogo produziu muitos artigos, teses, e palestras nos mais diferentes lugares, e participou de muitos congressos, seminários, fóruns, retiros, entre eles o Congresso Internacional Lousane II realizado em Manila, Filipinas em 1989. Foi orador de várias assembléias convencionais, e pregou em muitos congressos e igrejas por todo o Brasil. Como poeta e escritor já gestou e publicou cinco livros (Missão da Igreja e responsabilidade social, Voando nas asas da fé, Um sonho coberto de rosas, Suave perfume, e Uma grande mulher), tem quatro prontos para publicação, e está grávidos de mais dez livros que espera escrever e publicar nos próximos oito anos. Na área política assessorou deputado Wasny de Roure, por muitos anos, tanta na CLDF como na Câmara dos Deputados; assessorou por pouco tempo os deputados distritais Peniel Pacheco e Arlete Sampaio; o Ministro da Educação, Cristovam Buarque, como chefe da Assessoria Parlamentar do MEC, e depois assessor parlamentar do Senador Cristovam Buarque. Nesta área produziu muitos escritos sobre os evangélicos e a política, fez inúmeras palestras, promoveu muitos seminários, e foi fundador e coordenador de vários fóruns, entre eles o Fórum Político Religioso do PT, o Fórum Religioso de Diálogo com GDF, o Fórum Cristão do PT Chegou a Brasília em junho de 1969 e, desde então, a elegeu como sua cidade do coração. Agora, aposentado, deseja dedicar-se a apenas duas atividades essenciais: pastorear graciosamente a Igreja Cristã de Brasília e Brasília, e escrever apaixonadamente. Sua grande ênfase ministerial tem sido o amor cristão, a graça maravilhosa de Deus revelada em Jesus Cristo, a responsabilidade social das igrejas e dos cristãos, e o ministério urbano da igreja.