O C Â N T I C O D A A L M A

Sermão : O C Â N T I C O D A A L M A – Salmo 103

(No culto de gratidão na residência de Cláudio e Estelita em 28.06.2015)

Pastor Julio Borges Filho

INTRODUÇÃO:

Hoje estamos aqui para louvar e agradecer a Deus pela sua ação grandiosa na vida de Cláudio e Estelita. Eu os acompanho há cerca de 40 anos, desde Teresina e aqui em Brasília. Deixemos nossa alma cantar seu cântico mais sublime oxigenando todo o nosso ser. Agostinho disse em suas Confissões: “Fizeste-nos para ti, ó Deus, e nossa alma só descansará em paz em ti”

– Davi, o salmista e grande cantor de Israel, repete seis vezes a expressão “Bendize/bendizei” no Salmo 103, três na segunda pessoa do singular e três na segunda pessoa do plural:: na primeira vez é para louvar a Deus, na segunda é para agradecer seus benefícios, na terceira, quarta e quinta vezes é para trazer o cântico de harmonia do céu à terra, na sexta vez é para concluir o cântico com o refrão: “Bendize, ó minha alma ao Senhor”. Saboreemos melhor este belo cântico da alma.

  1. BENDIZE, Ó MINHA ALMA, AO SENHOR…”, v.1

  1. Bendize – São palavras bem-ditas, sublimes, grandiosas, as melhores que temos… Mesmo assim insuficientes e inadequadas por que “Deus é infinitamente melhor do que o melhor que pensamos”, como bem afirmou Ancelmo de Cantuária, teólogo que viveu ao redor do ano mil. A palavra hebráica aqui traduzida como “Senhor”, é YAWHEH, como Deus se revelou a Moisés: “Eu sou o que sou” que se revelou a Abraão, Isaque e Jacó, e que criou do nada todas as coisas.

  1. Ó minha alma – É a expressão do mais profundo sentimento, da eternidade em nós, do que nos desafia a sonhar e caminhar sempre na busca da harmonia com Deus.

  1. E tudo o que há em mim bendiga o seu santo nome – Todo o nosso ser deve se unir ao cântico da alma que traz sentido à nossa vida.

  1. BENDIZE, Ó MINHA ALMA, AO SENHOR…”, v. 2

  1. Repetir sempre o diálogo com a alma. É didático, encarna o cântico em nossa vida, e disciplina nossa mente, e nos purifica tornando-nos mais leves. Sugiro um exercício espiritual durante uma semana. Ao acordar e ao deitar, nas refeições, apenas orem “Bendize, ó minha alma, ao Senhor”. Depois disso este cântico fará parte de sua vida por encarnará em sua mente e sentimentos. É o cântico da alma alcançando todas a dimensões de nossa vida.

  1. E não te esqueças de um só dos seus benefícios:

1) O perdão dos pecados, v 3a – “É Ele quem perdoa todas as tuas iniquidades”. E são muitos os nossos pecados.

2) A cura das enfermidades do corpo e da alma, v 3b – “E quem sara todas as tuas enfermidades”.

3) Livra da morte prematura e a coroa de graça e misericórdia, v. 4 – “Quem da cova redime a tua vida e te coroa de graça e misericórdia”

4) Renovação da vida, v 5 – “Quem farta de bens a tua velhice, de sorte que a tua mocidade se renova como a da águia”. A águia aqui é símbolo de renovação constante já que ela muda sua plumagem constantemente. Quando alguém me pergunta sobre minha alegria e jovialidade, eu respondo que pratico a receita de Isaias 40:28-31:

Não sabes, não ouviste que o eterno Deus, o Senhor, o Criador dos fins da terra, não se cansa nem se fadiga? Não se pode esquadrinhar seu entendimento. Faz forte ao cansado e multiplica as forças ao que não tem nenhum vigor. Os jovens se cansam e se fadigam, e os moços de exaustos caem, mas os que esperam no Senhor renovam as suas forças, sobem com asas como águias, correm e não se cansam, caminham e não se fadigam.”

5) A justiça aos oprimidos, v 6 – “o Senhor faz justiça e julga todos os oprimidos…” A eloquente ilustração disso na história, cita Davi, foi a manifestação de Deus a Moisés e aos filhos de Israel com grandes feitos.

6) Misericórdia e compaixão, vrs, 8-18 – “O Senhor é misericordioso e compassivo; longânimo e assaz benigno.”

– Não se zanga para sempre, v 9, e não recorre sempre, como fazem as instituições públicas nos processos judiciais.

– É gracioso, vrs 10-13 – porque não nos trata segundo os nossos pecados… A graça de Deus é infinita e aqui é ilustrada em termos de Altura (“Quanto o céu se alteia acima da terra, assim é grande a sua misericórdia…”), de distância (“Quanto dista o oriente do ocidente, assim afasta de nós as nossas transgressões”), e de sentimento paterno (“Como um pai se compadece de de seus filhos, assim o Senhor se compadece dos que o temem”).

– Ele nos conhece, vrs 14 e 16 – “Conhece a nossa estrutura e sabe que somos pó”, passamos rapidamente por este mundo, somos como uma flor que alcança o seu esplendor e logo murcha. E porque conhece a nossa finitude e fragilidade, nos compreende e nos ama.

– É eterna, vrs 17 e 18 – “A misericórdia do Senhor é de eternidade a eternidade…”

7) Seu reino e domínio sobre tudo, v.19 – “Nos céus estabeleceu o Senhor o seu trono, o seu reino domina sobre tudo”. Lembremos que o Rei deste Reino é Jesus Cristo, nosso Senhor. Há um texto do Apóstolo Paulo em 1 Coríntios 15:20-28 quando ele fala da vitória final de Cristo sobre os principados e potestades e sobre a morte, quando entregará o reino a Deus e Pai e se sujeitará a Ele, para que “Deus seja tudo em todos”. Isso é maravilhoso, pois o Filho entregará ao Pai todo o poder e o Pai o distribuirá com uma nova humanidade redimida e reinaremos com Cristo pelos séculos dos séculos. À luz disso, e com a idade e a experiência, hoje eu me confesso um anarquista cristão pois só se satisfaz com o governo de Deus em Cristo Jesus, e nunca com o governo dos homens. As leis e o comando destes são sempre casuístas. A justiça plena está apenas com Deus que é incorruptível.

  1. O CÂNTICO NO CÉU, NO UNIVERSO E NA TERRA, vrs. 22 a 22.

  1. Bendizei ao Senhor todos os seus anjos…, v 20

  1. Bendizei ao Senhor todos os seus exércitos e ministros…, v 21

  1. Bendizei ao Senhor todas as suas criações…, v 22a. As estrelas louvam a Deus quando brilham e ocupam o seu espaço na imensidão do universo, o sol quando ilumina e aquece, a lua quando brilha e encanta no céu, os pássaros quando cantam e voam, os animais quando pulam e rugem…

E eu me junto a esse coro: CONTIGO COMIGO

Se o mundo se acabar

E eu sozinho ficar,

Segura minha mão…

E eu viverei contigo.

Se dor feroz me ferir

E meu mundo ruir,

Segura minha mão…

E eu cantarei contigo.

Se a tristeza me abater

E vier tudo perder,

Segura minha mão…

E eu me alegrarei contigo.

Não há solidão que me desespere,

Não há dor feroz que eu não cante,

Não há tristeza que me não alegre

CONTIGO COMIGO, Meu Pai.

CONCLUSÃO: “Bendize, ó minha alma, ao Senhor” – v. 22b

Soneto C Â N T I C O D A A L M A

Para Cláudio e Estelita

Bendize, ó minha alma, ao Senhor,

E todo o meu ser se junte a ela

Numa canção sublime e bela,

Cheia de fé, esperança e amor.

Bendize, ó minha alma, ao Senhor,

E não te esqueças do que Ele fez

Por mim. Sua graça me satisfez

Em Jesus Cristo, meu Salvador.

Canta com os anjos, e canta bem,

Canta com as estrelas lá no além,

Canta em harmonia com a vida.

Cantar é certeza de nunca morrer,

É da água de vida sempre beber,

É viver desde já uma vida florida.

Brasília, 25.06.2015, às 18 hs,

No Calçadão da Asa Norte

Expressões de louvor e gratidão – Cada um comece sua oração com “Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e complemente com suas expressões de louvor e gratidão.

Júlio Borges de Macedo Filho

Sobre Júlio Borges de Macedo Filho

PASTOR JULIO BORGES DE MACEDO FILHO Piauiense de Curimatá, 72 anos com 48 de pastorado, filho de Julio Borges de Macedo e Arquimínia Guerra de Macedo, é o sétimo filho de uma família de onze irmãos. Casou-se, há 48 anos no dia de sua ordenação ao ministério pastoral, com a professora Gislene Rodrigues Lemos de Macedo e tiveram quatro filhos: Juliene, Jusiel (falecido), Julinho e Julian. Agora Deus lhe deu a primeira neta chamada Sarah, de apenas 8 anos. Concluiu o curso de Bacharel em Teologia pelo Seminário Teológico Batista do Norte do Brasil, em Recife. Formou-se em 1969 e foi ordenado ao ministério pastoral no dia 22 de fevereiro do mesmo ano. Pastoreou as seguintes igrejas: Igreja Batista do Rio Largo – AL (1969 a 1972), Primeira Igreja Evangélica Batista de Teresina – PI (1972 a 1978), Primeira Igreja Batista de Ilhéus – BA (1978 a 1979), Terceira Igreja Batista do Plano Piloto – Brasília (1979 a 1989), Igreja Batista Noroeste de Brasília (interinamente em 1985), Primeira Igreja Batista de Curimatá – PI (interinamente em 2000), e desde 1989, a Igreja Cristã de Brasília. Tomou a iniciativa para a organização das seguintes igrejas: Primeira Igreja Batista de Picos –PI, Igreja Batista do Lago Norte – Brasília, Igreja Batista Noroeste de Brasília (hoje, Igreja Batista Viva Esperança), e a Igreja Cristã de Brasília. Ordenou cerca de 20 pastores e uma pastora, consagrou dezenas de diáconos e diaconisas por onde passou, e celebrou mais de 500 casamentos. É considerando no Distrito Federal um pastor de pastores. Líder denominacional foi presidente da Convenção Batista Alagoana, da Convenção Batista do DF (três vezes), do Conselho de Pastores Evangélicos dos DF (duas vezes); participou de vários organismos batistas como o Conselho de Planejamento e Coordenação da Convenção Batista Brasileira, das juntas administrativas do Seminário Teológico Batista Equatorial e do Seminário Teológico Batista do Norte do Brasil; e por 20 anos foi professor da Faculdade Teológica Batista de Brasília ensinando as seguintes disciplinas: Estudos de problemas brasileiros, ética cristã, teologia pastoral, teologia contemporânea, ministério urbano, teologia bíblica do Antigo Testamento, e homilética. Como teólogo produziu muitos artigos, teses, e palestras nos mais diferentes lugares, e participou de muitos congressos, seminários, fóruns, retiros, entre eles o Congresso Internacional Lousane II realizado em Manila, Filipinas em 1989. Foi orador de várias assembléias convencionais, e pregou em muitos congressos e igrejas por todo o Brasil. Como poeta e escritor já gestou e publicou cinco livros (Missão da Igreja e responsabilidade social, Voando nas asas da fé, Um sonho coberto de rosas, Suave perfume, e Uma grande mulher), tem quatro prontos para publicação, e está grávidos de mais dez livros que espera escrever e publicar nos próximos oito anos. Na área política assessorou deputado Wasny de Roure, por muitos anos, tanta na CLDF como na Câmara dos Deputados; assessorou por pouco tempo os deputados distritais Peniel Pacheco e Arlete Sampaio; o Ministro da Educação, Cristovam Buarque, como chefe da Assessoria Parlamentar do MEC, e depois assessor parlamentar do Senador Cristovam Buarque. Nesta área produziu muitos escritos sobre os evangélicos e a política, fez inúmeras palestras, promoveu muitos seminários, e foi fundador e coordenador de vários fóruns, entre eles o Fórum Político Religioso do PT, o Fórum Religioso de Diálogo com GDF, o Fórum Cristão do PT Chegou a Brasília em junho de 1969 e, desde então, a elegeu como sua cidade do coração. Agora, aposentado, deseja dedicar-se a apenas duas atividades essenciais: pastorear graciosamente a Igreja Cristã de Brasília e Brasília, e escrever apaixonadamente. Sua grande ênfase ministerial tem sido o amor cristão, a graça maravilhosa de Deus revelada em Jesus Cristo, a responsabilidade social das igrejas e dos cristãos, e o ministério urbano da igreja.