Pedagogia do Sofrimento

Pastor José Carlos Santos

“ olhando firmemente para o autor e consumador da Fé, Jesus, o qual, em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, não fazendo caso do importuno constrangedor da grande humilhação de morrer na cruz, e agora está a direita de Deus Pai” Hebreus 12:2 Bíblia Esperança

“ Suportem o sofrimento como se fosse o castigo dado por um Pai, porque o sofrimento de vocês mostra que Deus os está tratando como seus filhos. Será que existe algum filho que nunca foi corrigido pelo Pai?” Hebreus 12:7 Linguagem de hoje.

 

Fico imaginando qual o sentido real do sofrimento. Somos uma geração que já desfruta de medicamentos e entretenimento para todo tipo de alívio, assim evitando a dor e consequentemente o sofrimento.

A teoria dos 40 anos é muito interessante_ pesquisadores cortam a história de 40 anos em 40 anos para colocar como marco os avanços que proporcionam mais prazeres ao indivíduo. Na década de 40 tivemos a pílula feminina, a penicilina, e os avanços e conquistas sociais. Na década de 80 bebes de provetas, pílula masculina, anti térmicos e remédios para 80% das dores.

Hoje a medicina já consegue aliviar 98% das dores do homem. E a industria do entretenimento tem alívio nas suas programações para quase todos os infortúnios do homem. Em frente de uma tela, posso me emocionar sem ter que viver.

Enquanto esta geração Edonista (buscar o prazer a qualquer custo) busca alívio para os seus sofrimentos, a bíblia nos chama a atenção para a Pedagogia do sofrimento.

O sofrimento tem sido o maior desafio à fé cristã em todas as gerações. Como explicar a morte de pessoas queridas, como consolar pessoas que passam por catástrofes naturais, fome, abandono e desencontros afetivos. Parece que temos um Deus insensível que não se importa com a dor das pessoas.

Mas a palavra do nosso Deus não dá soluções de como evitar o sofrimento, pelo contrário, ela alerta que o mesmo é inevitável e propõe formas de poder enfrentá-lo. São causa devemos entender:

  1. O sofrimento é uma intromissão de satanás na vida do homem. Temos o caso de Jô, as enfermidades espirituais que eram repreendidas por Jesus, Paulo e seu espinho na carne ( Mensageiro de Satanás).
  2. Sofrimento produzido pelo pecado. Pode ser o meu ou de terceiros. Este sofrimento tem impacto na sociedade de forma ampla e consequentemente e corriqueiramente afeta inocentes.
  3. Sofrimento geográfico. Deus não ordenou que morássemos em encostas, invadíssemos os oceanos e degradássemos a natureza. O desastre natural é inevitável.
  4. O sofrimento devido a sensibilidade a dor. Este talvez o mais difícil dos sofrimentos, porque se apresenta de várias maneiras. São os planos que não vingaram, os sonhos que não se realizaram, as perdas inesperadas, as doenças, a fome… todas elas sentimos no corpo. Sensibilidade ao sofrimento é maravilhoso, assim evitamos a lepra e alienação em meio a dor ( O problema da lepra não é as úlceras e chagas, mas a insensibilidade a dor, quando percebe-se a doença ela já tomou todo o corpo.

Na pedagogia do aprendizado é usado a teoria do equilíbrio, desequilíbrio e re equilíbrio. Para equilibrarmos a nossa vida, as vezes precisamos de um desequilíbrio que abale nossas estruturas, para assim buscarmos forças para nos equilibrarmos novamente e desta vez de forma mais segura.

O Texto de Hebreus nos relata a pedagogia do sofrimento Divino e nos dá vários meios para passarmos pelo sofrimento de forma construtiva.

  1. Perseverança_ O sofrimento tem que produzir em nós perseverança. Devemos ser firmes nas adversidades e convictos no Deus que servimos. “Se perseverarmos com Ele, também com Ele reinaremos, se o negarmos, Ele, por sua vez nos negará .” 2 Timóteo 2:12
  2. Disciplina_ “ É para a disciplina que perseverais, Deus vos trata como filhos…” Hb 12:7 Se Deus fosse Clark Kent ( O super homem) ao menor grito de dor Ele interviria em nosso socorro, seriamos um mundo irresponsável com o os nossos sofrimentos. A atividade livre e responsável seria impossível. O Sofrimento é o nosso limitador. Nunca seremos filhos mimados e inconseqüentes aos olhos do Pai.
  3. Obediência_ “ embora sendo filho, aprendeu a obediência pela aquilo que padeceu” Hb 5:8 para mim, é o versículo mais duro da bíblia. Cristo não tinha pecado, não tinha ódio no coração mas tinha uma missão. A responsabilidade era enorme e só com muita obediência poderia enfrentar as dores do sofrimento. “ Toda disciplina, com efeito, no momento não parece ser motivo de alegria, mas de tristeza, mas depois, produz fruto pacífico aos que vem sido por ela sido por ela exercitados, frutos de justiça” Hb 12:11

Algumas considerações:

    • Não tenha medo do sofrimento. Somos uma geração criada para evitar o sofrimento a todo custo. A dor é um excelente motivador. Nos tornamos mais experimentados, mais convictos do que queremos e almejamos. A Bíblia nos orienta que não devemos sofrer de Graça … “ não sofra nenhum de vós como assassinos, ou ladrão, ou mal feitor, ou como quem se mete em negócios alheios..” 1 Pdr 4:15 Nossos sofrimentos tem que produzir em nós maturidade. Nossas perdas tem que despertar em nós um sentido de valorização da vida, que a nossa fome ou nudez nos faça olhar a grandiosidade das necessidades do mundo.
    • Motive-se _ Tem pessoas que não conseguem reagir diante da dificuldade. A motivação é mais complexa do que se imagina. Não é uma oração, um livro, uma pregação ou palestra que vai te motivar a sair da situação que você está vivendo. Isto porque motivação envolve três fatores básicos na vida do homem. Somo orientados por três fatores:
              1. Fator primário_ Comer, dormir e fazer sexo. Comer para sobreviver, dormir para descansar e sexo para perpetuar a espécie. Se você está neste estágio, você está igual a uma lagartixa. Não passa de um répetil.
              2. Fator secundário_ Prazer. Há pessoas que só querem o prazer. Tudo que é prazeroso elas estão motivadas, e sempre prontas. Mas a vida não é feita só de prazer. Para você ficar saradão você precisa fazer exercício e lesionar o músculo para ele crescer e ganhar forma e isto dói. Se não vencer a orientação para o prazer você nunca vai implementar nada, porque para se chegar ao prazer, precisamos de esforço. Se você está neste nível, você não passa de um primata. Eles tem esta orientação.
              3. Fator Intelectual_ A mente é o campo de batalha. Precisamos renovar a nossa mente para estarmos sempre motivados… “ rogo-vos pois irmãos que apresenteis os vossos corpos como sacrifício vivo, santo e agradável ao Senhor que é o vosso culto racional; e não vos conformeis com este mundo, mas transformai-o pela renovação da vossa mente” Romanos 12:1,2 você precisa exercitar a sua mente. Davi quando estava na caverna de adulão, escreveu os mais belos salmos ( salmo 42 é o que mais gosto, entre outros) e louvores a Deus. Sua mente tinha que ficar criativa, se não ficaria louco.
    • Se Você está trabalhando com fome, está lutando com as dificuldades, se ainda consegue ler a bíblia diante das decepções, se consegue dar brados de louvores a Deus em meio as perdas…. glória a Deus, você está no controle e sua Fé é a sua motivação. Você não é uma lagartixa, você não é um macaco, mas você é um FILHO DE DEUS.

 

Para finalizar, falo com tristeza no que as Igrejas estão se tornando. Apenas juizados de pequenas causas. As pessoas querem se livrar o mais rápido possível do seu sofrimento, sem antes entendê-los. São inúmeras correntes, campanhas e orações para livrar as pessoas desta grande bênção que é o sofrimento. Você faz a campanha, se você recebe a bênção é porque a Igreja é boa e o Pastor poderoso, se não receber é porque você não tem fé.

 

Não tenha medo de crescer. Crescer dói. Ninguém cresce no bem bom, só crescemos com as dificuldades. Todo crescimento gera mudanças, toda mudança gera perdas e todas as perdas geram dor.

 

Que o Senhor tenha misericórdia de Nós.

 

Pr. José Carlos S. Santos ( sofredor com orgulho).

 

José Carlos Souza Santos

Sobre José Carlos Souza Santos

Bacharel em Teologia e com formação em Gestão Comercial, atua na área de consultoria em Gestão Empresarial e Comercial. Pai de Calebe Naves santos (15 anos), Priscila Naves Santos (13 anos) e Daniel Naves Santos (11 anos).  Convertido aos 16 anos sempre foi envolvido com as questões eclesiásticas. Aos 18 anos assumiu a Primeira Igreja Batista no Novo Gama interinamente. Trabalhou nesta Igreja por 5 anos. Transferiu-se para a Primeira Batista de Sobradinho, onde criou a União de adolescentes Batista na Igreja. Com este Trabalho bem sucedido foi convidado a coordenar os adolescentes  do campo Batista no DF ocupando o cargo de conselheiro na JUBRAS (Juventude Batista de Brasília). No ano de 1997 ingressou na Faculdade Teológica Batista de Brasília. No ano de 1998 foi convidado a assumir a congregação da Igreja Batista Geração Eleita em Sobradinho. Por este período foi organizada a congregação em Igreja Batista do Setor de Mansões de Sobradinho. Igreja a qual pediu sua ordenação ao Ministério Pastoral no ano 2001. O concílio se organizou na Convenção Batista de Brasília com a presença 26 pastores e convidados. Foi aprovado por unanimidade e consagrado ao Ministério Pastoral no dia 25 de setembro de 2001. Pastoreou a Primeira Igreja Batista do setor de Mansões até o ano de 2007. Retorno ao Pastorado após 7 anos de peregrinação e aprendizado. Pronto para cumprir a caminhada que foi proposta Pelo Senhor nosso Deus.Bacharel em Teologia e com formação em Gestão Comercial, atua na área de consultoria em Gestão Empresarial e Comercial. Pai de Calebe Naves santos (15 anos), Priscila Naves Santos (13 anos) e Daniel Naves Santos (11 anos).  Convertido aos 16 anos sempre foi envolvido com as questões eclesiásticas. Aos 18 anos assumiu a Primeira Igreja Batista no Novo Gama interinamente. Trabalhou nesta Igreja por 5 anos. Transferiu-se para a Primeira Batista de Sobradinho, onde criou a União de adolescentes Batista na Igreja. Com este Trabalho bem sucedido foi convidado a coordenar os adolescentes  do campo Batista no DF ocupando o cargo de conselheiro na JUBRAS (Juventude Batista de Brasília). No ano de 1997 ingressou na Faculdade Teológica Batista de Brasília. No ano de 1998 foi convidado a assumir a congregação da Igreja Batista Geração Eleita em Sobradinho. Por este período foi organizada a congregação em Igreja Batista do Setor de Mansões de Sobradinho. Igreja a qual pediu sua ordenação ao Ministério Pastoral no ano 2001. O concílio se organizou na Convenção Batista de Brasília com a presença 26 pastores e convidados. Foi aprovado por unanimidade e consagrado ao Ministério Pastoral no dia 25 de setembro de 2001. Pastoreou a Primeira Igreja Batista do setor de Mansões até o ano de 2007. Retorno ao Pastorado após 7 anos de peregrinação e aprendizado. Pronto para cumprir a caminhada que foi proposta Pelo Senhor nosso Deus.