A conversão do amor

Lucas 22:31-34; João 21:15-23

*Julio Borges Filho

INTRODUÇÃO:

– Na praia Cai N´água, em Olivença/Ilhéus, há duas décadas, ouvi uma oração cantada: Derrama, Senhor! Derrama, Senhor! Derrama sobre nós o seu amor…” Passei o dia cantando esta oração e, desde então, a tenho cantado em minha vida. Eis o gênesis deste sermão inspirado na vida do Apóstolo Pedro.

– A conversão não é um fim, é o começo da vida cristã. E a vida cristã é uma sequência de conversões cujo objetivo é a semelhança com Cristo. E o que há de mais profundo na conversão é a conversão do ego através da auto-rendição. E o que há de mais profundo no ego é a aspiração de amar e ser amado. Fomos criados pelo Deus que é amor para amar e ser amados. Se não amamos e não somos amados violamos a mais profunda lei do nosso ser.

– A conversão do amor é a conversão da perversão: temos amado as coisas falsas com um amor falso (o eu, o sexo, a posição, o poder, o prazer, as posses). O teólogo Nels Ferré disse que teve três conversões: ao cristianismo tradicional, à honestidade, e ao amor de Deus e do homem.

– Dois homens de Deus estão diante de nós hoje: O Apóstolo Pedro (3 anos de discipulado) e o Pastor Josué (30 anos de pastorado). Um abre o caminho para o outro.

  1. A VIDA SEM A CONVERSÃO DO AMOR

  1. É egoísta – – “Nós deixamos tudo e te seguimos… que recompensa teremos?” – A contenda pelos primeiros lugares… – A atitude de superioridade em relação aos outros…

  1. Uma fé imperfeita:“Tu és o Cristo…”; “Senhor, para quem iremos nós…” x Andando sobre as águas…; e a tríplice negação…

  1. Uma mente e atitudes mundanas – Limitando o perdão… – A ideia mundana do Reino: “Longe de ti…”- No lava-pés – A atitude zelota/violenta na prisão de Jesus – A linguagem obcena na terceira negação.

 

  1. O AMOR SE FEZ CARNE: A CRUZ

  1. Como pode Deus converter nossos amores? – Através do mandamento? Seria a Palavra transformada em moralidade; – Provando que o ódio é mau e que o amor é bom? Seria a Palavra transformada em filosofia; – Dando leis e mandamentos para a vida comunitária? Seria a Palavra transformada em instituição. Tudo isso seria a Palavra transformada em palavras. Uma dissertação sobre a beleza do amor nos deixaria frios; uma exortação ao amor não nos comoveria; uma ordem para amar nos deixaria insubmissos. Esta é a proposta do islamismo: A Palavra se fez livro (Alcorão). A proposta cristã: A Palavra se fez carne…

  1. Deus nos responde revelando sua natureza de um modo incrível e impossível: a cruz de Jesus Cristo – É revelação e reconciliação: Jesus deu a vida pelos amigos e pelos inimigos recebendo o castigo pelos nossos pecados. – A cruz desmascara as estruturas humanas e demoníacas (a humilhação de principados e potestade – Cl 2:15). Por isso este é o grande assunto de Moisés, Elias e Jesus no Monte da Transfiguração. É o assunto central da Bíblia. Só na cruz de Cristo o nosso amor pode ser redimido. Somente nela é que o homem sente plenamente o que o separa de Deus; “mas é nessa mesma cruz, e tão somente nela, que o homem percebe não estar mais separado de Deus” (Emil Brunner).

 

  1. A CONVERSÃO DO AMOR – João 21:15-23

  1. É ser convertido no berço da alma – Toda vinda a Jesus traz o sentimento de regresso ao lar. IL 1: Teólogos da França do século 14. A ciência está descobrindo o amor. Só nele somos plenamente curados. Karl Menninger: “O amor é o remédio para a enfermidade do mundo.” As pessoas precisam de amor, sentido e segurança. A carência de amor é a causa de nossos males. IL 2: Flamino Fávero e o prisioneiro na Penitenciária de São Paulo: “Doutor, com o Senhor eu vou até para o inferno.” IL 3: Márcio (deliquencia juvenil).

  1. É se converter aos outros – Pastoreia minhas ovelhas. O Pastor é alguém chamado a amar. Há quantos lobos e vaqueiros guiando o rebanho de Cristo. O lobo busca os bens das ovelhas, o pastor o bem da ovelha. O vaqueiro cuida do gado e, como diz famosa canção popular, “porque gado a gente marca, engorda, ferra, come e mata, mas com gente é diferente.” O Pastor é especialista em gente. IL 4: O Pastor inglês e o arcebispo anglicano (O novo mandamento). Pedro aprendeu a liçao: o pastor come qualquer comida (Cornélio) sem nenhum preconceito. Eis o que ele recomenda a todos os pastores de todas as épocas: Pastoreai o rebanho de Cristo… – 1 Pd 5:2-4.

  1. É seguir a Jesus incondicionalmente – É não comparar-se com o outro. É ser afetado pela sua vida, é identificar-se com Ele na sua morte (crucificado cabeça para baixo em Roma), é levar dia a dia a sua cruz até os limites extremos. Pedro sentiu de novo o olhar de Jesus, ouviu de novo o canto do galo sem de novo o galo haver cantado, e respondeu: Senhor, Tu sabes todas as coisas. Tu sabes que eu te amo.

CONCLUSÃO:

– Quantas vezes o galo cantou durante o teu ministério? É o chamamento para a conversão do amor. O pastor é alguém especialmente tentado por Satanás. Com o tempo Deus nos ensina a fazer dele um aliado. Foi assim com Pedro, foi assim com Paulo: “O meu poder se aperfeiçoa na fraqueza”.

– “Tu me amas?… Tu me amas? …. Tu me amas? – Se me amas, ama minhas ovelhas… Apascenta-as… “O amor é infalível; não comete erros, porque os erros são a falta de amor” – Wiliam Law. O apóstolo Paulo: “Que todos os vossos atos sejam feitos com amor” – 1 co. 16:14.

– Cantando o hino-oração: “Derrama, Senhor! Derrama, Senhor! Derrama sobre nós o seu amor”.

*Pregado na ICB no domingo 02/06/2012 e na

Igreja Memorial Batista de Brasília nos 30 anos

de pastorado do Pr. Josué Mello Salgado

Júlio Borges de Macedo Filho

Sobre Júlio Borges de Macedo Filho

PASTOR JULIO BORGES DE MACEDO FILHO Piauiense de Curimatá, 72 anos com 48 de pastorado, filho de Julio Borges de Macedo e Arquimínia Guerra de Macedo, é o sétimo filho de uma família de onze irmãos. Casou-se, há 48 anos no dia de sua ordenação ao ministério pastoral, com a professora Gislene Rodrigues Lemos de Macedo e tiveram quatro filhos: Juliene, Jusiel (falecido), Julinho e Julian. Agora Deus lhe deu a primeira neta chamada Sarah, de apenas 8 anos. Concluiu o curso de Bacharel em Teologia pelo Seminário Teológico Batista do Norte do Brasil, em Recife. Formou-se em 1969 e foi ordenado ao ministério pastoral no dia 22 de fevereiro do mesmo ano. Pastoreou as seguintes igrejas: Igreja Batista do Rio Largo – AL (1969 a 1972), Primeira Igreja Evangélica Batista de Teresina – PI (1972 a 1978), Primeira Igreja Batista de Ilhéus – BA (1978 a 1979), Terceira Igreja Batista do Plano Piloto – Brasília (1979 a 1989), Igreja Batista Noroeste de Brasília (interinamente em 1985), Primeira Igreja Batista de Curimatá – PI (interinamente em 2000), e desde 1989, a Igreja Cristã de Brasília. Tomou a iniciativa para a organização das seguintes igrejas: Primeira Igreja Batista de Picos –PI, Igreja Batista do Lago Norte – Brasília, Igreja Batista Noroeste de Brasília (hoje, Igreja Batista Viva Esperança), e a Igreja Cristã de Brasília. Ordenou cerca de 20 pastores e uma pastora, consagrou dezenas de diáconos e diaconisas por onde passou, e celebrou mais de 500 casamentos. É considerando no Distrito Federal um pastor de pastores. Líder denominacional foi presidente da Convenção Batista Alagoana, da Convenção Batista do DF (três vezes), do Conselho de Pastores Evangélicos dos DF (duas vezes); participou de vários organismos batistas como o Conselho de Planejamento e Coordenação da Convenção Batista Brasileira, das juntas administrativas do Seminário Teológico Batista Equatorial e do Seminário Teológico Batista do Norte do Brasil; e por 20 anos foi professor da Faculdade Teológica Batista de Brasília ensinando as seguintes disciplinas: Estudos de problemas brasileiros, ética cristã, teologia pastoral, teologia contemporânea, ministério urbano, teologia bíblica do Antigo Testamento, e homilética. Como teólogo produziu muitos artigos, teses, e palestras nos mais diferentes lugares, e participou de muitos congressos, seminários, fóruns, retiros, entre eles o Congresso Internacional Lousane II realizado em Manila, Filipinas em 1989. Foi orador de várias assembléias convencionais, e pregou em muitos congressos e igrejas por todo o Brasil. Como poeta e escritor já gestou e publicou cinco livros (Missão da Igreja e responsabilidade social, Voando nas asas da fé, Um sonho coberto de rosas, Suave perfume, e Uma grande mulher), tem quatro prontos para publicação, e está grávidos de mais dez livros que espera escrever e publicar nos próximos oito anos. Na área política assessorou deputado Wasny de Roure, por muitos anos, tanta na CLDF como na Câmara dos Deputados; assessorou por pouco tempo os deputados distritais Peniel Pacheco e Arlete Sampaio; o Ministro da Educação, Cristovam Buarque, como chefe da Assessoria Parlamentar do MEC, e depois assessor parlamentar do Senador Cristovam Buarque. Nesta área produziu muitos escritos sobre os evangélicos e a política, fez inúmeras palestras, promoveu muitos seminários, e foi fundador e coordenador de vários fóruns, entre eles o Fórum Político Religioso do PT, o Fórum Religioso de Diálogo com GDF, o Fórum Cristão do PT Chegou a Brasília em junho de 1969 e, desde então, a elegeu como sua cidade do coração. Agora, aposentado, deseja dedicar-se a apenas duas atividades essenciais: pastorear graciosamente a Igreja Cristã de Brasília e Brasília, e escrever apaixonadamente. Sua grande ênfase ministerial tem sido o amor cristão, a graça maravilhosa de Deus revelada em Jesus Cristo, a responsabilidade social das igrejas e dos cristãos, e o ministério urbano da igreja.