O Essencial do Evangelho

Por Nilson Pereira de Moura – Bacharel em Teologia pela FTBB e pastor da Equipe Pastoral da ICB.

Existem dois aspectos essenciais do evangelho segundo a carta pastoral, eu diria pessoal de Paulo a seu “verdadeiro filho na fé”, o pastor Tito, o qual exercia seu pastorado na Ilha de Creta (1,4-5). O primeiro ponto essencial na carta é relevância da graça de Deus. O segundo ponto essencial é a transformação realizada por meio de Cristo. A relevância da graça salvadora que está em Jesus Cristo é defendida no capítulo 2,11-15:

 

Porque a graça de Deus se manifestou, trazendo salvação a todos os homens e ensinando-nos, para que, renunciando à impiedade e a as paixões mundanas, vivamos neste mundo de maneira sóbria “autodomínio”, justa “justiça” e piedosa “piedade”, aguardando a bendita esperança e o aparecimento da glória do nosso grande Deus e Salvador Jesus Cristo, que se entregou a si mesmo por nós para nos remir de toda a maldade e purificar para si um povo todo seu, consagrado às boas obras. Fala essas coisas, exorta e repreende com toda autoridade. Ninguém te menospreze”. (Almeida Século 21.

 

A graça de Deus é relevante porque ela traz em primeiro lugar a salvação a todos os seres humanos que a aceita. (v11). Ela ensina-nos a renunciar à impiedade e às paixões do mundo (v12a). A graça de Deus em Cristo nos convida a viver de autodomínio, justiça e piedade (v12b).

 

Outro aspecto relevante da graça é a manifestação da esperança no aparecimento, na revelação da glória do Deus salvador, Jesus Cristo, que teve a coragem de entregar-se a si mesmo em nossa substituição para nos remir de toda a maldade e para purificar um povo para ser todo seu (vv13-14) e o texto // 1 Tm 2,4 “que deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade”. Outro texto que fala dessa graça maravilhosa e salvação se encontra em 1 Pedro 2,9-10:

 

Vocês, porém são geração eleita, sacerdócio real, nação santa, povo exclusivo de Deus, para anunciar as grandezas daquele que os chamou das trevas pra a sua maravilhosa luz. Antes vocês nem sequer eram povo, mas agora são povo de Deus; não haviam recebido misericórdia, mas agora a receberam”. (B.NVI).

 

A eleição é a graça de Deus se manifestando e nos resgatando das trevas para nos conduzir à sua maravilhosa luz. Fazendo de um povo que não era povo em um povo de propriedade exclusiva de Deus. Isso é graça de Deus.

 

O texto de Efésios 2,1-10 fala da nossa condição de transgressores e de mortos no pecado, vivendo sob domínio do príncipe do mundo e do espírito que atua nos filhos da desobediência e que nos levavam a viver pelos nossos próprios desejos. Essa era nossa condição de homens e mulheres afastados de Deus. Estávamos destinados à morte e à ira de Deus. Entretanto, Deus que é rico em misericórdia e pelo imenso amor com que nos amou e nos ama providenciou a nossa salvação. Destaco os versos 4-10:

 

Mas Deus, que é rico em misericórdia, pelo imenso amor com que nos amou, estando nós ainda mortos em nossos pecados, deu-nos vida juntamente com Cristo e nos ressuscitou juntamente com ele, e com ele nos fez assentar nas regiões celestiais em Cristo Jesus, para mostrar nos séculos vindouros a suprema riqueza da sua graça, pela sua bondade para conosco em Cristo Jesus. Porque pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus; não vem das obras, para que ninguém se orgulhe. Pois fomos feitos por ele, criados em Cristo Jesus para as boas obras, previamente preparadas por Deus para que andássemos nelas”. (Almeida – Século 21).

 

Essa é a relevância da graça de Deus manifesta a todos nós trazendo salvação, esperança, glória e purificação de todos os pecados. Em 1ª João 1:9 “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça”. A salvação é pela graça. É uma iniciativa do próprio Deus. Ela não vem pelas obras ou por qualquer ação de bondade que venhamos a praticar. A salvação é um dom de Deus.

 

O tema boas obras está sempre nos textos que falam da graça de Deus, não como carro chefe, mas como um resultado da compreensão da graça salvadora de Deus.

 

O capítulo 3,3-8 aborda o segundo ponto essencial do evangelho na carta a Tito, que é a transformação do pecador promovida pela Graça de Deus em Cristo. Esse texto é na realidade um testemunho do que Deus faz em nossas vidas. O que éramos antes e no que devemos nos tornar, o apóstolo Escreve:

 

Porque antes também éramos insensatos, desobedientes, desencaminhados, servíamos a várias paixões e prazeres, vivíamos na maldade e na inveja, éramos rancorosos e odiávamos uns aos outros. Mas quando apareceu a bondade de Deus, nosso Salvador, e o seu amor para com os homens, não por méritos de atos de justiça que houvéssemos praticado, mas segundo a sua misericórdia, ele nos salvou mediante o lavar da regeneração e da renovação realizados pelo Espírito Santo, que ele derramou amplamente sobre nós por Jesus Cristo, nosso Salvador; para que, justificados pela sua graça, fossemos feitos herdeiros segundo a esperança da vida eterna. Esta palavra é digna de crédito, e quero que a proclames com firmeza para que os que crêem em Deus procurem aplicar-se às boas obras. Tais coisas são excelentes e proveitosa para os homens”. (Almeida Século 21).

 

Antes vivíamos em pecado e transgressões como já foi dito em efésios 2,1-10, estávamos em completa desarmonia com a vontade de Deus, éramos desobediente, desencaminhados, vivendo em paixões, em prazeres, em maldades, em invejas, em rancores e em ódio. Essa é a condição de homens e mulheres sem Deus.

 

Entretanto, diz Paulo em seu testemunho, Deus mudou sua vida para um novo ser. Um ser salvo, regenerado, renovado pelo Espírito Santo, não pelo próprio mérito, mas pela graça e pelo amor de Deus em Cristo que o transformou e ainda pode nos transforma em herdeiros segundo a esperança da vida eterna (Tt 3,7). Porque se alguém está em Cristo é uma nova criação (1 Cor 5,17).

 

Diante dessas verdades essenciais do Evangelho devemos ser gratos e proclamadores dessa verdade com firmeza e gratidão a Deus por nos ter amado tanto e a Jesus Cristo por ter se entregado por todos nós “que se entregou a si mesmo por nós para nos remir de toda a maldade e purificar para si um povo todo seu, consagrado às boas obras” (Tt 2,14) para nos regenerar, renovar e justificar e nos garantir a esperança da vida eterna mediante o seu amor derramado amplamente sobre nós por meio de Jesus Cristo e pelo o Espírito Santo “não por méritos de atos de justiça que houvéssemos praticado, mas segundo a sua misericórdia, ele nos salvou mediante o lavar da regeneração e da renovação realizados pelo Espírito Santo, que ele derramou amplamente sobre nós por Jesus Cristo, nosso Salvador; para que, justificados pela sua graça, fôssemos feitos herdeiros segundo a esperança da vida eterna” (Tt 3,5-7). O essencial do evangelho é entender e aceitar que a salvação é pela graça de Deus que nos conduz a uma nova vida de esperança e vida eterna, não por méritos, mas pela justificação graciosa de Deus em Cristo Jesus. Uma geração eleita. Uma nova criação em Deus segundo a sua graça de criadora. (1 Cor 5,17). O essencial do Evangelho é a graça de Deus manifesta em Cristo Jesus, nosso Salvador e a transformação realizada em nossa vida por esse encontro com Deus em sua Graça.

Bibliografia:

 

Bíblia Sagrada – Almeida Século 21. Sayão, Luiz.

Bíblia de Jerusalém – 2ª edição 2002.

Bíblia Nova Versão Internacional.

Tags:
Nilson Pereira de Moura

Sobre Nilson Pereira de Moura

Nilson Pereira de Moura nasceu em 1957 na cidade de Posse-GO. É casado há 25 anos e pai de três filhos. É bacharel em Teologia, com concentração em Ministério Pastoral, pela Faculdade Teológica Batista de Brasília – FTBB (1999). Ordenado ao Ministério Pastoral pela Igreja Cristã de Brasília, em 09 de dezembro de 2001, em Concílio presidido pelo Pastor Júlio Borges de Macedo Filho. Foi posteriormente aprovado em Concílio Especial de reconhecimento de exame realizado pela ICB pela Ordem dos Pastores Batistas do Brasil, em 22 de setembro de 2009. Pastoreou como membro do Colegiado de Pastores na Igreja Batista do Jardim Paquetá, na cidade de Planaltina de Goiás, no período de março de 2008 até 13 de novembro de 2010, período que julga de extrema relevância para o seu Ministério Pastoral. Após essa experiência gratificante retornou à Primeira Igreja Batista de Sobradinho-DF (PIBS), onde ocorreu sua conversão em dezembro de 1980 e batismo em 23 de agosto de 1981. Permaneceu como pastor membro na PIBS de 14 de novembro de 2010 até 19 de julho de 2011, quando resolveu retornar à equipe pastoral da Igreja Cristã de Brasília em 24 de julho de 2011, onde foi recebido com grande alegria e unanimidade. É muito grato a Deus pela experiência adquirida na caminhada cristã. Em 18 de agosto de 2013 foi recebido como membro efetivo na Primeira Igreja Batista de Sobradinho – PIBS/DF. No dia 30 de novembro de 2014 retornou à Equipe Pastoral da ICB de copastor. Em 19 de abril de 2015 por aclamação, retornou a PIBS, na qualidade de membro efetivo. Servidor público federal, aposentado do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA, onde ingressou em 03 de janeiro de 1979. Atuou na Área de Gestão de Pessoas da Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda-SPE/MF, e na Secretaria de Patrimônio da União do Ministério do Planejamento – SPU/MP, no assessoramento técnico da ASTEC, em gestão de Pessoas. Posteriormente, exerceu a função de parecerista na Secretaria de Recursos Humanos – SRH/MP, tendo encerrado a sua participação no MPR na Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão, onde exerceu os cargos de Assistente, Assessor Técnico e Chefe de Divisão por vários anos. Encerrou sua carreira no IPEA ocupando a atribuição de Auditor substituto, na Auditoria Interna do órgão. Em paralelo, exerceu o cargo de Diretor de Administração e Finanças da Associação dos Funcionários do IPEA-AFIPEA, cargo pelo qual foi eleito para o Biênio 2011/12, acumulando também o cargo de Secretário-Executivo da AFIPEA-SINDICAL. Cargos exercidos até 30 de maio de 2013.